segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Bancos e o desrespeito

Banco é foogoooo!

Hoje escrevo mais calma, não estou tão put* da vida como eu estava há uns dias atrás, no dia em que me estressei no banco. Mas que banco é uma safadeza, ah, se é!

A gente é obrigado a pagar taxas de tudo, pra ter conta no banco, pra poder ter cheque, pra tirar mais de não sei quantos extratos no mês, fora o absurdo de cheque especial e cia. Nossos rendimentos são taxados, tudo tem preço, acho que até se respirarmos demais na agência é cobrado taxa. O que me deixa louca é que, depois de pagar tudo isso de taxa e 'dinheiros', o atendimento do banco é péssimo. Tem uns 10 caixas, mas só dois funcionando, sendo que um é pra atendimento preferencial de idosos e grávidas. Nada mais justo, mas um caixa pra cada público é de doer! Fora os malditos (coitados, eles não tem culpa, a culpa é do banco que tem poucos caixas) office boys, que levam 357 papéis diferentes para pagar... nesse dia em que me estressei no banco tinha um office boy que estava lá, rezava a lenda, desde as 11 da manhã (sendo que quando eu estava lá eram 2 da tarde...). Nesse dia tinham 3 caixas funcionando, sendo um para atendimento especial e um tomado pelo office boy from hell. Sobrou um caixa, que demoraaaava... então, a fila de atendimento preferencial andava que era uma beleza, mas parecia que nesse dia todos os velhinhos e grávidas da Mooca resolveram ir até a Nossa Caixa. Eu lá, na minha hora de almoço, vendo a fila de atendimento preferencial andar rapidinho, mas cheia de velhinhos e eu parada no mesmo lugar... comecei a ficar com raiva dos velhinhos, mas logo me recompus, a culpa não era deles... era do banco! Se o banco tivesse a quantidade de caixas funcionando e ágeis o suficiente para atender aquela montoeira de gente, eu não teria ficado tão estressada, assim como as outras pessoas da fila... não teria ficado com raiva dos velhinhos e nem do office boy. O velhinho não tem culpa de ser velhinho e o office boy deve odiar ser boy... parei num momento de clareza e desencanei de ficar com raiva do povo, só comecei a fazer meu leve protesto Che Guevara com os outros clientes, mas aquele protesto inútil em que os clientes cochicham e dão indiretas um pouco mais alto, que não adiantam nada, que os caixas (que também devem estar de saco cheio de ouvir reclamações) já estão acostumados... É um problema que atinge só o povão, o tonto do caixa que sai de casa pra ganhar trocado e atender aquele povo pentelho, o tonto dobrado do cliente que paga taxas mil e não é bem atendido, do velhinho que tem que se deslocar da casa dele pra receber a aposentadoria e ainda pegar a fila dos idosos, que hoje já é enorme...

Nenhum comentário:

Postar um comentário