quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O lenhador e a raposa

Essa é velha, mas sempre boa...

Antonio acordava às 6 da manhã e trabalhava o dia inteiro cortando lenha, só parando muito tarde da noite.

Ele tinha um filho lindo de poucos meses, e uma raposa, sua amiga. Por ter perdido sua mulher há pouco tempo, tratava a raposa como bicho de estimação e de sua total confiança.

Todos os dias o Antonio ia trabalhar e deixava a raposa cuidando do bebê.

Ao anoitecer, a raposa ficava feliz com a sua chegada.

Os vizinhos do lenhador alertavam que a raposa era um bicho, um animal selvagem, e, portanto não era um animal confiável, e quando sentisse fome comeria a criança.

E o Antonio dizia com grande coração, a raposa é de minha máxima confiança e jamais faria isso.

Hei!!! Jamais ela vai comer meu filho.

Um dia Antonio, exausto do trabalho e cansado desses comentários, chegou em casa e viu a raposa com sua boca totalmente ensangüentada.

O lenhador suou frio e, sem pensar duas vezes, acertou um machado na cabeça da raposa.

Desesperado, entrou correndo no quarto.

Encontrou seu filho no berço, dormindo tranqüilamente, e ao lado do berço uma cobra morta.


Moral? Ficar ouvindo as merdas que os outros tem a dizer não nos leva a lugar nenhum. Muitas vezes as pessoas falam, criticam, palpitam nas nossas vidas, nas nossas ações, nas amizades que temos, no marido que temos e não sabem realmente como é nossa vida, a relação com as pessoas que tanto criticam. Muitas vezes essas pessoas não sabem que nosso maior apoio, quem realmente está do nosso lado no dia a dia, na hora das dificuldades e problemas, é a pessoa que eles tanto criticam. Por isso não temos que dar ouvidos aos comentários maldosos e quase sempre inúteis das pessoas à nossa volta, vizinhos, familiares, colegas de serviço, não leva a nada. A gente sabe muito bem com quem anda, onde o nosso calo aperta e quando a situação nos faz mal. Eu detesto quem diz "presta atenção no fulano, abre seu olho, fica esperta". Geralmente eu fico esperta com quem me fala essas coisas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário