terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Minha paixão por animais - Henrique

Quem me conhece um pouco sabe que sou louca por bichos. Louca, literalmente. De acordo com nosso amigo Aurélio, pai dos burros, louco significa: alguém que perdeu a razão, demente, insensato, apaixonado, alienado, arrebatado. Em relação à animais eu sou quase tudo isso aí mesmo. Eu adoro, curto mesmo, gosto de cuidar, de brincar e não posso ver um sofrendo, abandonado, sendo judiado que eu fico um trapo, mal mesmo. Eu tenho essa sintonia com animais desde pequena, sempre gostei. Já levei trocentos arranhões de gatos que viviam aqui no prédio, mordidas de leve de cachorros e mesmo assim nunca tive medo deles. Tenho mais medo de abelha e barata do que qualquer outra coisa. Quando eu era pequena meu prédio tinha muitos gatos e poucos filhos da puta envenenadores de gatos. Então os gatos iam de lá pra cá, caçando ratos, se esfregando na gente e claro, cruzando. Vira e mexe tinha filhotes pelo prédio, de tempos em tempos aparecia uma gatona linda buchuda pra gente cuidar e elas sempre confiavam na gente, era incrível, até em parto de gato ajudamos, eu e minhas amigas, na época Dani, Margarete e Lizana, gateiras como eu. Como gato é um bicho sutil, dava pra cuidar numa boa, eles são independentes, noturnos e silenciosos, por isso tenho poucas histórias de cuidar de cachorro na minha infância, uma porque minha mãe nunca me deixou ter cachorros, outra porque cachorros são carentes e espalhafatosos (e lindos, claro) e não tem como criá-los sem todo mundo saber que você tem um. Nisso minha infância passou muito marcada pelos gatos, que adoro até hoje. Acho o fim quando uma pessoa diz que não gosta de gato. Por que não gostar? O que ele fez pra não ser querido ou admirado? É um bicho inteligente, bonito, esperto, na dele. Eu gosto de gato e cachorro da mesma maneira, no momento tenho um cachorro e só não tenho um gato porque não ia dar muito certo com esse Max temperamental e ciumento que eu tenho em casa. Ajudei, junto com as minhas amigas, a cuidar de muito gatinho aqui do prédio. Uma vez lembro que uma gata deu cria e eu fiquei com pena de deixá-los lá embaixo, no prédio. Desci com a minha lancheira da escola (aquelas caixas de plástico, a minha era da Mônica, lembram?) e enfiei toda a ninhada de gatos lá dentro. Fui pra casa, corri pro meu quarto e lá fiquei o dia todo com os gatinhos, um mais fofo que o outro. Acontece que uma hora eles tem fome e começam a gritar. E acontece que outra hora eles cagam sem parar e minha mãe acabou descobrindo o que eu fiz e me deu uma bronca daquelas, mas valeu a pena, rs. Quando eu era pequena, aqui no prédio a Mônica, uma gata rajada de cinza e preto, deu cria. Deu três filhotes: um rajado igual a ela e dois malhados de preto e branco. Eu enchi tanto o saco da minha mãe que a convenci a ficar um macho malhado, que tinha um triângulo branco na cabeça. Terrível, o batizei de Henrique, sei lá porque. Ele era terrível de verdade, corria pelo apartamento a madrugada toda, quebrando tudo o que encontrava no caminho, entrava embaixo da cama pra fazer xixi, me arranhava muito. Mas eu nem ligava, adorava aquele mini capeta. Ele ia no quarto da minha mãe às vezes e subia nas costas do meu pai para afiar as unhas, meu pai adorava isso. Uma vez ele entrou no meu quarto também e arranhou minha boca, gato doido... ele ficou com a gente um tempo, não lembro o quanto exatamente, mas minha mãe ficou grávida e o médico recomendou que doássemos o Henrique. A sorte foi que minha tia avó Teresa criava muitos gatos numa casa bem grande e resolver ficar com ele pra mim, que logo se adaptou e arrumou uma namorada, viveu feliz por lá e eu sempre podia ir lá visitá-lo. Morar numa casa pra ele foi um sonho, ele era tão doido dentro desse apartamento tão pequeno... gato em apartamento deve ser mesmo castrado, pra acalmar, porque é uma judiação manter um animal com instinto de caça tão aguçado preso em casa. Hoje fica a lembrança do Henrique, meu primeiro gato dentro de casa, bagunceiro que só, mas que deixou saudades. Tenho pouquíssimas fotos dele, um escaneio e coloco aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário