quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Minha paixão por animais - Lua

Ah, essa história é especial. A Lua é uma bichinha linda e querida, mais gente do que cachorro, que viveu comigo por uns bons anos e agora mora com meus pais. Ela foi a primeira cachorrinha que apareceu na minha vida depois da Princesa. Quando a Princesa morreu, ficou um buraco muito grande em casa, então decidimos ficar sem cachorros, mas quem resistiu à Lua?



Quando eu tinha uns 16 anos, eu assisti um clipe do Groove Armada, Superstylin', onde aparecia um daschund (o famoso salsicha ou cachorrinho da Cofap). Fiquei apaixonada e comentei um dia com a minha amiga Dani que o dia que eu tivesse um cachorro de novo, seria um salsicha, igual o do clipe, pretinho e que se chamaria Lua. Aí ela me disse que a Jade, a cadelinha da prima dela, uma salsicha, estava grávida e que os donos dela não sabiam o que fazer com os filhotes, já que queria dar para pessoas próximas e de confiança. Eu disse na hora que queria um. O tempo passou, os filhotes nasceram, 7 por sinal. Desmamaram, cresceram, ficaram lindos, pretinhos, gordinhos, fofos. Um dia eu estava em casa quando a Dani chega com uma bolinha preta na mão, encolhida, fofa... era a minha Lua, escolhida pela Dani, a coisa mais linda e dengosa. Levei pra casa e mostrei pra minha mãe, que claro, ficou doida comigo, dizendo que eu sabia que ela não queria mais cachorros, que não era pra ter pegado cachorro nenhum, que era pra levar a Lua embora. Pensei um pouco e decidi deixar a Lua no colo da minha mãe enquando ia conversar com a Dani (pra ver se a fofura da Lua amolecia minha mãe). Quando eu voltei, a Lua estava toda encolhida no colo da minha mãe, confortável, em casa e minha mãe já disse que eu era uma fia da pu, por ter deixado o cachorro no colo dela pra ela se apegar. Ela disse que era pra gente esperar meu pai chegar pra ver o que ele decidia. Claro que quando meu pai chegou ele disse a frase de sempre: "Deeeixa o bicho aí!". Ele já disse isso até pra minha pata Roberta que ganhei da minha vó, imagina pra uma cachorrinha tão fofa como a Lua? A Lua ficou pra nunca mais sair e virou a daminha da casa. Apesar de eu ter ganhado a Lua, ela escolheu minha mãe como dona, porque cachorros escolhem o seu dono. Ela se apegou em mim, mas se apegou dobrado nos meus pais. Meu pai, machão valentão chama a Lua de filha, minha mãe compra roupas e ração da boa, enfim, a Lua é uma princesa. Convivi diariamente com a Lua por uns 5 anos e apesar de mordidas e rosnadas, sempre nos demos muito bem. Ela estranha um pouco o Gugu, morde de vez em quando, mas ela está só se vingando dos tempos que ele dava cambalhota com ela, tenho certeza. Ela é bravinha, esquentadinha, tem o gênio da minha mãe, digamos, misturado com o pai biológico dela, o Charlie. Esbelta, pretinha, com o pelo brilhante, unhas compridas, rabo maluco, já passou por poucas e boas. Já foi atropelada, mordida pelo Max, tomou trocentas injeções por causa das dermatites dela. A raça dela tem tendência a ter problemas de pele, então ela vive no veterinário. Dorme com meus pais, mas odeia dormir com meu irmão. Gosta de passear na praia, mas odeia passear nas ruas de São Paulo, principalmente depois que ela foi atropelada. ODEIA tomar vacina, injeções. Odeia tanto que ela já entende as palavras veterinário e banho e quando as ouve já se enfia embaixo da mesa, só saindo na base da mordida ou se enfia no esconderijo dela, um buraco no guarda-roupa da minha mãe. Ela adora virar de barriga pra cima pra ganhar carinho e morre de ciúme do meu pai. Quando ele me abraça, ela dá um jeito de se enfiar no meio, é muito engraçado, bichinha geniosa... extremamente carinhosa, adora ficar chegada na gente, pertinho. Gosta de um homem que é uma beleza, nunca vi bicha mais safada. Adora comer comida de gente, mas ai de você dar um pão puro pra ela. Ela não come, tem que ter queijo ou manteiga (a bicha é fresca que só). Uma lady, sabe andar de carro, se cobrir sozinha no frio, gosta de ficar na janela e na varanda vendo a vida lá embaixo e adora usar roupas. Roupas são um episódio à parte. Ela adora usar roupinhas, tem várias. Quando casei, minha mãe ficou mais grude com a Lua ainda. Ela tem vestidos da Hello Kitty, roupa de inverno com capuz, vestido com lacinho, fica uma fofa. Agora o cara do Pet Shot deu pra colocar gargantilhas rosas nela, fica uma boneca. Hoje Luri tem 7 anos, em fevereiro faz 8. Está mais velhinha, com uns pelos grisalhos, mas tão ou mais carinhosa do que era antes. Cada dia mais apegada na gente, temos todo um ritual para não deixá-la sozinha, sempre tem alguém em casa pra ficar com ela e quando viajamos, nos revezamos, ela nunca fica em hotel. Ela faz parte da família e não gosto nem de pensar no dia em que ela nos deixar... esse é o mal de ter cachorros. Eles viram filhos, irmãos. Parece exagero, mas só quem teve cachorro sabe como é, a lealdade, a amizade e o carinho que eles tem por nós. Só que eles duram pouco, uns 15 anos... eles vem, deixam a marca deles pra sempre e se vão, rápido demais... mas vamos parar de pensar em coisas ruins, porque a Lu tem mais uns bons 7 anos no mínimo com a gente.





Te amo, malukete linda!


Lua e eu




Lua vendo o que se passa na rua, coisa que ela adora. Estava com uma alergia, por isso estava com umas falhinhas no pelo

Nenhum comentário:

Postar um comentário