domingo, 17 de janeiro de 2010

Hoje eu assisti

Efeito Borboleta: filme das antigas, mas que vale a pena assitir quantas vezes for necessário. Nem sei falar bem sobre esse filme, que fala sobre um homem que tem uma doença ou problema psicológico, em que a memória é afetada. O pai dele também tinha e ficou internado em um hospital psiquiátrico por conta disso. Esse homem, que é o Ashton Kutcher, cresceu numa cidade rodeado de amigos problemáticos e sempre escreveu diários para ter as lembranças dele registradas. Ele muda para outro lugar com sua mãe e quando cresce, começa a ter problemas com sua memória e a ser atormentado por memórias do passado. Aí ele descobre um jeito de voltar ao passado, que é lendo seus diários de infância. Eu particularmente adoro esse filme, me dá agonia de assistir, mas adoro. Na hora em que um dos moleques mata o cachorro eu sempre mudo de canal, porque detesto ver essa parte, muita crueldade. Assisti esse filme na madrugada de domingo pra segunda. Sou ansiosa, estava agoniada por causa da matrícula da Federal, com medo de perder a hora, de cair uma chuva que me atrapalhasse (que me atrapalhou, mas conto depois), de faltar algum documento e eu perder a vaga, sei lá, sou pessimista muitas vezes ou precavida demais e isso acabou com meu sono. Otto colocou um colchão na sala pra me fazer companhia e eu fiquei no sofá, vendo TV. Assisti esse filme, show, programa de entrevista e quando vi, o sol tinha nascido e eu tinha que ir trabalhar. Trabalhei bem o dia todo, com olheiras terríveis e um humor melhor ainda, mas não sosseguei até chegar na Federal... mas isso fica pra depois.

Nenhum comentário:

Postar um comentário