quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Torcidas organizadas (ou seriam maloqueiros organizados?)

Domingo passado eu estava andando de carro com Otto, tínhamos acabado de devolver o Thomas pra mãe dele e estávamos indo devolver o Bi e a Lê quando passamos em frente ao metrô Penha, na Radial Leste. Nesse dia tinha acontecido a final da copinha entre o Santos e o São Paulo. Quando saímos de casa, o São Paulo estava perdendo, inclusive achamos que o Santos tinha ganhado o campeonato. A torcida jovem do Santos fica na Penha, então aquela molecada do inferno (maloqueiros organizados, na minha opinião) estava voltando do jogo, reunidos, sempre em bandos (de covardes). O ser humano é uma desgraça mesmo, quando se junta, um monte de bundão vira um bando de cabra hómi, que se firmam uns nos outros e tomam "coragem" de agir da forma que melhor convém. Eles se juntaram e tomaram duas pistas da Radial Leste sentido bairro, em frente ao metrô Penha. Tinha duas caminhonetes da CET bloqueando as duas faixas, sobrando só uma faixa pros carros, que se amontoavam tentando passar. Não tinha quem segurasse, aquele bando andando todo cheio da razão, com a camisa do Santos e putos, muito putos, porque o São Paulo ganhou o título. Otto estava com a camisa do Corinthians que eu dei pra ele, na hora gelei. Os caras passavam em volta dos carros e, quando viam Otto com a camisa do Corinthians, gritavam "galinha", "gambá", entre outros xingamentos. Eu estava ao lado dele e as crianças no banco de trás, por isso acho até que pegaram leve, porque normalmente torcida organizada quando se junta vira um bando de monstros reunidos, doa a quem doer. Estava tudo bem até que uma hora passou um cara do lado do carro e gritou "tem corinthiano aí?" e deu uma bica no carro. Achei o fim, que cara covarde e muito, muito cuzão, desculpem o termo. As crianças ficaram assustadas, eu me assustei, foi muito ruim, porque isso podia ter desencadeado uma agressão pior. Otto andou com o carro e mais pra frente parou para ver o estrago, por sorte não foi nada demais. Quando o susto passou, parei para pensar que as torcidas organizadas deviam desaparecer, não tem intuito nenhum e só gera violência. A Independente, do São Paulo, é violentíssima, a Mancha também. A Gaviões então... vira e mexe uma torcida mata alguém, quebra alguma coisa. Não podemos esquecer da final entre São Paulo e Palmeiras em que a torcida são paulina foi comemorar na Paulista e quebrou tudo o que encontrou pelo caminho, queimaram bancas de jornal, saquearam lojas, uma demonstração de vandalismo total, me deu muita vergonha de dizer que era são paulina na época... pra ajudar, descobri um tempo depois que um amigo meu e do Otto (que nem é mais nosso amigo) roubou uma loja de sapatos na Paulista com o primo, coisa feia... e ele nem precisava disso, vive com a família, trabalha. Por isso que eu falo, torcida organizada acaba virando uma válvula de escape para as pessoas liberarem o lado bicho delas, para bater, brigar, virar vândalo. Odeio torcidas oganizadas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário