sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Eu percebi

Que a vida às vezes dá dessas, nos pega desprevenidos, de calças curtas... mas como disse um amigo, mudanças são necessárias, sem elas não haveriam borboletas. Tudo o que passamos na vida é necessário, acredito muito em karma, destino. Coincidências não são meros fatos e sim o desenrolar de uma história já escrita. Somos atores da nossa vida, temos o livre arbítrio, mas já nascemos predestinados. Acredito que a fé é importante e que quem planta a semente do bem, jamais colherá o mal. Também penso que Deus escreve certo por linhas tortas e que Ele nunca nos dá um fardo que não podemos carregar. E que o resultado do que fazemos nos espera mais adiante. Todas as nossas experiências são aprendizados, mesmo quando sofremos com elas. Estou aprendendo que decepção não mata, ensina a viver. Estou me descobrindo muito mais forte do que imaginava e que viver de planos não nos leva muito longe, o negócio é enfiar os dois pés na jaca e poder dizer "pelo menos eu vivi, conheci". Descobri que nem sempre o choro é a melhor demonstração de tristeza, que calmantes fazem milagre pelo sono que dão, que amigos são mesmo a família que a gente escolhe, que nossos pais sempre tem razão (e mesmo assim nunca os ouvimos), que o cachorro é realmente o melhor amigo do homem, que não se morre de amor, que nunca conhecemos bem as pessoas (como elas podem nos surpreender!), que o amor de uma criança é mesmo puro, sincero e marcante, que a saudade dói de verdade, que a mesma rotina que nos mata é a que cura, que a internet pode ser muito mais legal do que parece, que um amor mal resolvido mais cedo ou mais tarde vai bater na sua porta para tirar satisfações (ou pedir para baterem por ele), que ser livre é caro, mas não tem preço, que a ingenuidade faz algumas pessoas te passarem para trás, que sogra é sempre sogra (mas existem exceções!) e que um bom copo de cerveja ou uma boa dose de uma boa cachaça ajudam pacas (e fazem amizades nascerem). No fim posso dizer: estou aprendendo. Dezessete dias de emoções, conversas, descobertas, experiências, novidades, bebidas, família, faculdade, Max, remédios, internet, saudade, superação, de (nova) vida! Como diz o texto "mude, mas comece devagar, porque o que mais importa é a direção do que a velocidade". Sempre acelerada, talvez esteja tentando ser rápida demais, mas a intenção é a inicial, mudar. E o mais difícil eu já fiz, começar.

Um comentário: