segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Um dia = 24 horas?

A maior mentira ever! Meu dia, por exemplo, tem umas 50 horas. Claro, sou ansiosa no pior grau que existe, faço 500 coisas ao mesmo tempo, preciso de muita Maracugina para sossegar. E agora que tenho o Arthur para completar o bolo, segura!

Desde sempre eu gosto de fazer um monte de coisas ao mesmo tempo. Na época do ensino médio, eu estudava em dois períodos, namorava, lia, passeava pra caramba, acho que nunca saí tanto na vida como na fase da escola!

Aí entrei na faculdade e a loucura continuou. Numa época eu fazia estágio de manhã em Higienópolis, técnico em nutrição a tarde faculdade de Hotelaria a noite, os dois no Ipiranga. Ah, claro, em época de TCC. Já viu, em dezembro eu literalmente caí dura na Avenida Nazaré e fui pro hospital com estafa. Mas não aprendo, continuo com as mil coisas.

Hoje em dia eu sou mãe e cara, se você pensa que estudar e trabalhar, namorar, passear é cansativo, tenha um filho. Ou melhor, tenha o Arthur, que tem pré-diagnóstico de hiperatividade. Aí o negócio fica bão MESMO, hahaha!

Minha rotina é deliciosamente louca e não a troco por nada, se eu não vivo tudo isso junto e misturado, me deprimo, acho que estou mole demais, fico pra baixo. Coragem para tomar um remédio para ansiedade? Não tenho e nunca pretendo tomar. Academia diz que ajuda, mas ainda não consegui encaixar na rotina louca. Calmatezinho fitoterápico cai como uma luva para mim, mas como o Arthur ainda acorda de madrugada, não consigo tomar. Quem sabe mais pra frente eu me acalme e diminua o ritmo, né?

Hoje minha rotina é corrida: leva Arthur na escola, vai pro trabalho, busca Arthur na escola, algumas noites por semana vai pra faculdade. Tranquei a faculdade de Letras que fazia a distância para me dedicar exclusivamente ao Turismo e finalmente me formar no IFSP. No meio dessa rotina, tem levar o Arthur ao pediatra, ao otorrino, tem fazer a unha, tirar a sobrancelha, hidratar o cabelo, enfim, coisas de mulherzinha que adoro, rs. Também tem que encaixar tempo para os pais, irmão, marido, amigas. E assim, quase todo o meu tempo é do Arthur, não tem jeito. Se estou no trabalho, estou pensando nele, no que tem que comprar, que médico levar, que passeio fazer. Aos finais de semana tem a overdose de Arthur: Playland, parques, praças, shoppings, viagens, só matutando meios de distraí-lo e tentar cansar um pouco a ferinha.

Às vezes fico pensando, e se o dia tivesse mais horas, para eu poder fazer todas as minhas coisas com calma? Não daria, porque eu com certeza enfiaria mais mil coisas nas brechas de horário que surgissem =P

Nenhum comentário:

Postar um comentário