terça-feira, 3 de setembro de 2013

Medo de dentista - Parte I

Eu sou medrosa para algumas coisas, tenho até meu top 5: dentista, avião, barata, altura e abelha. Também tenho medo de perder alguém que amo.

Sem dúvida, o pior é perder alguém que amo. Esse medo é tão grande que nem penso nele, é como se fosse algo impossível de acontecer, sabe?

Mas voltando aos medos... adoro viajar, mas morro de medo de avião. Detesto barata, tenho nojo, agonia, tudo. E uma baratona voadora já pousou no meu ombro duas vezes e não faz muito tempo, ecaaaa! Abelha tenho medo porque já levei picada até dentro do Morumbi Shopping. E dói que só, né? Altura me incomoda desde pequena, mas é altura grande mesmo que me dá medo, de andar alto. Meu pai tem o mesmo medo, então todas as nossas casas tiveram e ainda tem rede de proteção.

O dentista é terrível pra mim e o pior, não dá pra evitar, é super necessário... e eu tenho muito azar com dentitas... quando eu era criança, tinha uma odontopediatra ótima, Dra. Vitória. Eu sempre tive medo de anestesia, uma vez com uns 11 anos eu tive que arrancar um dente para outro nascer. Pense num escândalo, numa gritaria total? Era eu no consultório. Ridículo... E esse medo nunca passou e só piorou. O tempo passou e todas as minhas experiências em dentistas foram péssimas, uma pior que a outra. E a maioria eram de dentistas que não mostravam segurança, aí eu ficava com mais medo ainda.

Quando eu estava grávida do Arthur, tive muita dor no dente do siso. Dias antes do Arthur nascer eu estava alucinando de dor de dente, nada fazia melhorar. Não lembro se não tomei remédios para ajudar, mas lembro que a dor foi bizarra mesmo. E fui a um dentista aqui na Mooca, na Sorridents. Pra variar, a experiência foi péssima, a dentista que me atendeu estava cheia de medo de me atender, disse que eu tinha uma cárie no siso e que o ideal era arrancar o dente, que estava bem torto, mas que não queria me anestesiar porque estava com medo. Ela tentou obturar o dente sem anestesia, quase morro de dor, mas aguentei firme por um tempinho (bem inho). Ela me pediu para voltar quando o nenê nascesse. Fui embora e passei no Servidor, para ver se conseguir passar no dentista de lá. Infelizmente não consegui por falta de dentistas, mas peguei um atestado com um obstetra para receber a anestesia e arrancar o siso. Eu estava tão, mas tão louca de dor que nem liguei, queria mesmo arrancar o dente encrenca. Não liguei pra anestesia, pra medo, pra nada, só queria me livrar daquilo. E a dentista? Arregou. Não quis arrancar o dente. Dia seguinte acordei e o dente não doía mais, a coragem foi embora e não fui em outro dentista.

Dá até vergonha de dizer que nunca mais fui a um dentista, mas decidi, vou marcar consulta em um e logo. Arthur também precisa passar em um dentista, se ele tiver a tendência que eu e meu irmão tivemos, terá muitas cáries na infância. E vou arrancar o tal dente, que medo... volto pra contar quando fui e como foi a consulta. Que meeeedo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário