domingo, 20 de abril de 2014

Sobre catapora

Para quem nunca teve catapora (ou varicela) ou tem filhos pequenos ou em idade escolar, é bem interessante saber mais sobre a doença, que atinge geralmente crianças pequenas. Em casa eu vacinei o Arthur (ainda falta a segunda dose) para protegê-lo e também porque eu nunca peguei, já pensou pegar depois de velha, rs? A doença é "boba" na infância, apesar do incômoda com a coceira, mas para adultos é perigosa, principalmente para mulheres grávidas, já que o vírus pode fazer mal para o bebê em formação. Vacinamos o Arthur no Lavoisier aqui em São Paulo, pagamos 140 reais em 10x (não sei preços atualizados). Atualmente, a vacina faz parte do calendário do SUS, bacana, né?


O que é a catapora?

A catapora é uma doença infecciosa altamente contagiosa causada pelo vírus Varicela zoster, do grupo de vírus do herpes. Há muitos tipos de herpes, mas uma coisa que todos os vírus dessa família têm em comum é a capacidade de passar por uma fase de latência no corpo, após a infecção aguda, e só depois ser reativados. 

Com a catapora, quando isso acontece, o adulto sofre de herpes zóster, que provoca fortes dores. 

Também conhecida como varicela, a catapora provoca uma manifestação cutânea que coça e começa com pequenas lesões. Rapidamente, essas lesões viram bolhinhas (vesículas) cheias de um líquido transparente, que então secam e formam casquinhas. 

À medida que a doença avança, novas bolhas aparecem, por isso é comum ter lesões em diferentes estágios de evolução (umas estão nascendo, outras já estão com casquinha, outras já cicatrizando). 

As manchas na pele costumam aparecer primeiro na cabeça, no rosto e no tronco, e depois se espalham para o resto do corpo. Às vezes podem surgir dentro da boca, semelhantes a pequenas aftas, e nos órgãos genitais. Crianças podem ter de 250 a 500 bolhinhas, embora seja possível ter apenas umas poucas. 

Crianças pequenas tendem a ficar cansadas e podem apresentar uma pequena febre. Além disso, podem perder o apetite e, nos dias que precedem a manifestação cutânea, ficar com o nariz escorrendo e um pouco de tosse. 

No Brasil, já há vacina contra a varicela, que entrou no programa nacional do governo em 2013, administrada gratuitamente em uma dose com 1 ano e 3 meses. Pelo calendário recomendado pela Sociedade Brasileira de Pediatria, a vacina é dada em duas doses, com 1 ano e depois com 1 ano e 3 meses. (Até 2013, o reforço recomendado pela SBP era entre 4 e 6 anos). A imunização previne contra formas mais graves de catapora e contra complicações. 



Como é o contágio?

O vírus é transmitido pelo contato entre pessoas, através de espirros, tosse, catarro, ou pelo contato com as lesões, na fase da formação das vesículas, ou bolhinhas. A maioria das crianças tem catapora bem nova (mas em geral acima de 1 ano), quando a doença se manifesta de uma forma mais branda, embora haja risco de complicações. Em jovens e adultos, contudo, a catapora pode ser mais séria. 

O período de incubação, isto é, o período entre o contágio e o aparecimento de sintomas, varia de duas a três semanas. A criança fica contagiosa cerca de dois dias antes das primeiras manifestações cutâneas e até que elas tenham secado (algo que pode levar até 10 dias). 



Há algum risco para mulheres grávidas?

Crianças com catapora devem ser mantidas longe de gestantes que nunca tiveram a doença, já que ela pode causar problemas para o feto. Evite também que seu filho doente entre em contato com bebês muito pequenos e crianças com alguma deficiência imunológica. 


Existe tratamento específico para a catapora?

Caso o contato com uma criança doente tenha acontecido há menos de 48 horas, e seu filho não for vacinado, fale com o pediatra, pois ele pode recomendar a imunização, que pode conseguir evitar a doença a tempo. 

Medicamentos antivirais só são administrados a crianças mais vulneráveis a problemas sérios de saúde, como as que têm o sistema imunológico comprometido ou que estejam em tratamento contra algum tipo de câncer. Mesmo assim, sempre consulte o pediatra se achar que seu filho pode estar com catapora. 

Enquanto a criança estiver se recuperando, o melhor que você pode fazer é ajudar a aliviar a coceira nas feridinhas. Dê banhos mornos a cada três ou quatro horas e experimente colocar permanganato de potássio, maisena ou aveia (coloque uma porção em um paninho fechado) na água. O permanganato só é vendido em farmácias de manipulação, por isso você vai precisar de receita médica. 

A pasta d'água também pode ser usada para aliviar a coceira. É difícil, mas tente evitar que seu filho coce as feridinhas, o que pode retardar o processo de cura. Lesões malcuradas podem deixar cicatrizes e até levar a infecções de pele. Procure manter as unhas do seu filho bem curtinhas e limpas. 

Se alguma ferida infeccionar, fale com o médico, pois ele vai receitar um creme antibacteriano. 

Controle a febre com a dose recomendada pelo médico de paracetamol ou ibuprofeno. Nunca dê aspirina a crianças pequenas, já que o remédio pode provocar uma condição rara, mas potencialmente fatal, chamada síndrome de Reye. 

Se seu filho estiver muito incomodado, o pediatra poderá prescrever algum anti-histamínico para ajudar a reduzir a coceira. 



A catapora pode ser perigosa?

Em crianças saudáveis, a catapora normalmente é apenas chata, e não uma ameaça à saúde. Em casos raros, no entanto, pode haver complicações mais graves, como infecções bacterianas na pele, pneumonia ou encefalite (inchaço e inflamação no cérebro). 

Procure assistência médica se seu filho estiver mais abatido do que seria de imaginar, se aparecer uma febre depois dos primeiros dias da doença, se surgirem bolhinhas nos olhos ou se a pele em torno das vesículas ficar muito vermelha, inchada ou irritada. 

Fonte: Baby Center

Nenhum comentário:

Postar um comentário